Surfactentes, Lauril, cosméticos e pele: o que tem a ver?




A produção de cosméticos e produtos de limpeza envolve uma mistura de componentes e que pode incluir substâncias de diferentes naturezas químicas, como água e óleo. Dessa forma, para que o produto fique homogêneo - não se separe em fases- é necessário à utilização de surfactantes.

 Surfactantes

Surfactantes, também chamados de tensoativos, são substâncias que influenciam a superfície de contato entre dois líquidos. 
A composição química dos surfactantes envolve longas cadeias carbônicas hidrofóbicas - que não se misturam com água- com um grupo hidrofílico -que se mistura com água.  Isso faz com que os surfactantes consigam interagir tanto com substâncias polares (água) quanto com as apolares (nessa caso, os óleos).
Devido a essa característica, os tensoativos são capazes de diminuir a tensão superficial; umectar (molhar ou umedecer superfícies); produzir espuma; ser detergente (reagir com as partículas de “sujeiras”); ser solubilizante, dissolvendo uma substância líquida insolúvel (soluto) em um meio líquido (solvente).

E, assim fica fácil entender que em cosméticos eles são responsáveis por retirar oleosidade e a sujeira, produzir espuma e permitir a penetração da água 

Há diversas formas de se obter um tensoativo, desde sintéticos até os oriundos do petróleo. Porém, a maioria das opções não é biodegradável e gera poluição. 
Assim, como muitos dos produtos que usamos possuem surfactantes, diariamente grande quantidade dessa substância é liberada no ambiente e isso pode acarretar em espuma nos rios, alterações físico-químicas e biológicas dos solos. Em relação à saúde, os tensoativos podem causar reações alérgicas.
 lauril e cosmeticos

Lauril sulfato de sódio e lauril sulfato de amônio

Há diversos tipos de tensoativos (catiônicos, aniônicos e os não-iônicos). Os surfactantes mais comuns são os que apresentam sulfato na sua estrutura e, provavelmente, você já deve ter ouvido o nome lauril por ai (lauril sulfato de sódio e lauril sulfato de amônio), pois esse é um dos surfactantes mais utilizados pela indústria de cosméticos
Ele é proveniente de matéria-prima barata, produz bastante espuma (e as pessoas ainda acham que quanto mais espuma mais limpeza – o que não é verdade) e é um agente de limpeza eficiente.
Embora a indústria cosmética defina como seguro, dentro de um limite de concentração, tanto do ponto de vista ambiental quanto biológico, alguns trabalhos científicos trazem dados mostrando que, por ser agressivo, o lauril está associado a processos alérgicos.
E ai é só você refletir: você usa apenas um único produto com essa substância? Ou está exposto a um mix de produtos (shampoo, sabonete, detergente, sabão em pó, etc)?

Alternativas

O ponto chave desse artigo é que há alternativa!
Você pode adquirir produtos com baixa concentração desse surfactante ou ainda optar por produtos que não contenham essa substância.
Os cosméticos naturais são uma opção, pois eles usam alternativas derivadas do coco, da palma e do milho, como o Coco Glucosideo e o Decil Glicosideo.
Portanto, fique de olho no rótulo dos seus produtos e repense!


Como identificar a presença de lauril nos seus produtos

Lauril éter sulfato de sódio, lauril éter sulfonato de sódio, sodium lauryl sulfate, sodium lauryl ether sulfate, sodium laureth sulfate, sodium dodecyl polyoxyethylene sulfate, sodium lauryl ethoxysulfate, sodium polyoxyethylene klauryl sulfate, monododecyl ester sodium salt sulfuric acid, sodium dodecyl sulfate, sodium lauryl sulfate, sodium salt sulfuric acid, sulfuric acid monododecyl ester sodium salt, sulfuric acid, sodium salt, akyposal sds, aquarex me e aquarex methyl.

A escolha do que usamos precisa ser feita de uma forma mais consciente. Levar em consideração o que eu quero para a minha saúde e qual planeta eu desejo deixar para as próximas gerações deve ser colocado em pauta na hora de escolher quais marcas e quais produtos eu levarei para a minha casa.

Referências:

0 comentários:

Postar um comentário