Parei com a pílula anticoncepcional. E agora?




Desde seu surgimento, a pílula anticoncepcional virou rotina na vida de muitas mulheres. Comigo não poderia ser diferente!
Emancipação feminina, revolução sexual, controle de natalidade... Tudo isso e muito mais com apenas uma bolotinha por dia. Foi assim que, na década de 60, a pílula garantiu seu lugar. Ainda sem ter todos os seus riscos definidos, mas sabendo que os benefícios os superavam e com todas as promessas (e nesse ponto sem dúvida a escolha por querer ou não engravidar) fez muitos olhinhos por ai brilharem!

pílula anticoncepcional


O tempo passou e a pílula começou a ser usada por outras razões. No meu caso? Regular o ciclo, controlar a oleosidade da pele e cabelos e evitar uma gravidez indesejada por parte da minha família (da minha família, porque com 14 anos eu tava é longe de querer perder minha virgindade).
Ofereça um milagre pra uma garota que não sabe cuidar de si mesma, e de sua pele (ponto mais critico na minha vida naquele momento chamado adolescência. É só espiar essa foto ai embaixo) e é claro que ela vai aceitar. Ninguém me explicou os riscos, ninguém me contou a história... Só me foi dito “toma que melhora!”.

pílula anticoncepcional pele oleosa

E assim foram durante os últimos 10 anos da minha vida. Toda noite antes de dormir uma bolotinha de hormônio.
Nesse post eu não quero te contar quais são os efeitos colaterais da pílula, quem deve ou não tomar (eu não sou médica, lembra?!), quais são os riscos de AVC, trombose e tudo o que ela pode fazer com seu humor. Eu só quero dizer que pra mim foi melhor parar e que eu vou questionar todo mundo que faz o uso (inclusive minhas alunas adolescentes que entraram nessa da mesma forma que eu: sem saber nada sobre o assunto). No mínimo você deve pensar e ter consciência sobre a sua escolha, seja ela usar ou não a pílula.

Durante 10 anos eu vivi uma relação de amor e ódio com a pílula. Meu ciclo tava reguladinho, eu nunca tive filhos indesejados, minha pele parecia um pêssego, meu cabelo era maravilhoso. Em compensação minhas pernas inchavam absurdamente, as celulites não diminuíam por nada nesse mundo, o risco de uma trombose era rotina, a TPM nunca ficou dormindo (sim, eu tinha muita alteração de humor mesmo com a medicação) e a minha libido era beeeeem controlada.

Quando comecei a ter noção sobre o que estava fazendo ao consumir a pílula, eu tentei parar. Foram 3 tentativas não sucedidas. Apesar da ideia de parar ser minha, eu sempre tive o respaldo de uma médica vascular (ela deixou bem claro que a maior solução para as minhas pernas e meu problema de circulação eram atividade física e parar com a pílula).
Durante as minhas tentativas eu nunca consegui lidar com os efeitos colaterais. A minha ultima tentativa foi em janeiro de 2016 e eu fiquei quase 3 meses sem menstruar (a gente reclama, mas esse é o sinal de que não tem um bebe dentro de você e a paranoia me dominou nesse período). Voltei.

No início de 2017 a minha vida estava a todo vapor. Rotina bem estabelecida, alimentação balanceada, atividade física... Mas os efeitos no corpo não eram os que eu esperava e a minha cabeça já não via a pílula como uma aliada, e sim como uma inimiga. Eu tomava mais ou menos, se juntar minhas ultimas cartelas dá pra fazer uma cartela nova, só com os que eu não tomei! Porque eu não conseguia! Eu engolia aquilo e pensava: “Thais, que cê tá fazendo com você mesma?”.

E então eu decidi parar. Decidi mesmo! Pesei tudo o que iria acontecer e decidi que dessa vez eu iria aguentar. No dia 16/02 tive a minha ultima menstruação. Mas e ai, existe vida após a pílula?

Nesses quase 60 dias os efeitos foram os mais diversos. Os 15 primeiros dias foram marcados por dores de cabeça (não era enxaqueca, mas elas incomodavam); a oleosidade começou a surgir, mas eu estava preparada e com os produtos que comprei isso não se tornou um problema tão grave e as espinhas não surgiram; o cabelo....ah o cabelo...me incomoda muito ele estar oleoso, porque tenho que aumentar a frequência de lavagem e assim a minha tinta escorre pelo ralo mais rápido; a felicidade começou a se tornar rotina e veio acompanhada com um dose de confiança (apesar que nos primeiros dias eu senti alterações drásticas de humor, com uma leve depressão e umas lagrimazinhas por ai);  a libido aumentou, claro! Mas já está sob controle e os crushs podem respirar aliviados; não sei sobre a TPM ainda, pois não menstruei (ansiosa por esse capítulo, mas sei que pode demorar muito ainda) e as mudanças no ganho de massa, retenção de líquido e celulite já são visíveis (a foto da esquerda foi em janeiro e a da direita foi em março. Apesar de estar meio ruim, as celulites diminuíram muito e o corpo tem tomado uma forma que em um ano de exercício e dieta eu não estava conseguindo).

pílula anticoncepcional engorda

E mesmo com os efeitos colaterais rolando, eu prefiro estar assim agora. Eu quero dar uma chance para o meu corpo. O anticoncepcional foi importante na minha vida e foi um grande passo na independência feminina, mas ele se tornou uma “obrigação” e o seu consumo passou a ser rotina, sem pensarmos muito sobre isso.

O que fica no final desse post? A certeza de que não vai ser fácil (quem já parou sabe), a busca por outros métodos contraceptivos e a tarefa de conscientizar outras mulheres por ai (na verdade, na minha família teve gente que conseguiu parar antes do que eu, mesmo tendo sido eu quem começou com essa reflexão)... Não para que elas parem o consumo, longe de mim, mas para que elas reflitam o porquê utilizam e o que isso causa nas suas vidas! We can do it!

pílula anticoncepcional ganho de massa

Meninas, me contem! 
Você já parou? Como foi? Relate sua experiência ali nos comentários, ajude uma amiga!

Beijos...


6 comentários:

  1. Palmas pra ti, tenho muito medo de parar, eu tinha muitas espinhas e elas todas sumiram, oleosidade eu continuo tendo então não mudaria muita coisa, mas engordei 4 quilos nesses dois anos de anti, queria me sentir menos inchada, pois muitas vezes tenho essa sensação.
    http://souadultaagora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As espinhas me matam!Não tá sendo fácil, mas tá valendo a pena.
      Repense Lee... Talvez uma dermatologista possa ajudar!

      Excluir
  2. Adorei o texto! Tanto do assunto como a construção dele!! <3 tenho 16 anos e pensei em começar a tomar, mas acho que depois desse textão todo acho que desisti! Haha, amo meu corpo, e sua confiança no seu ajuda muitas pessoas a se inspirarem!! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <3 Que amor essa sua mensagem! Obrigada!!!
      Pense bem antes de começar, converse com uma médica, veja suas opções!
      Eu me sinto muito melhor sem e a cada dia encontro mais pessoas com essa sensação. Então vale a pena refletir sobre o assunto!

      Excluir
  3. Thais parei esse mês e estou sendo muito criticada por minha mãe e amigas próximas.... pessoas o tempo todo dizendo que vou engravidar, e isso está me dando mais força de parar pq estou ficando irritada e querendo provar pra todo mundo que consigo! Você é linda, merece tudo de bom, obrigada pelas suas contribuições nas nossas vidas! We can do it!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai Bia! Como te adoro! We can do it! Não é fácil, mas a gente consegue... To chorando todo dia com a dor e coceira das espinhas que estão me acompanhado! Mas vamos lá, firmes e com paciência!

      Excluir